Edição de abril, maio, junho 2019.

TRANSGÊNEROFEMININO

Nem toda a mulher nasce mulher. No caso das trans, a frase de Simone de Beauvoir “Não se nasce mulher, torna-se mulher”, é exata e, para isso, elas precisam enfrentar muito preconceito, violência física e psicológica.

  • Segurança alimentar não existe no Brasil – p.2-3
    A fome é desumana. Só sentindo para saber. Não tem nada a ver com a vontade de comer. Fome dói e deixa a gente confuso. A pessoa rouba e é capaz até de coisas piores para matar a fome. É uma questão de sobrevivência, de preservação da vida. A fome aumenta a violência.
  • TRANS NÃO ENTRAM – p.4-6
    As mulheres trans enfrentam muitos desafios. Se forem moradoras de rua, então, o preconceito ainda é maior, seja no cotidiano da rua ou mesmo no acesso a albergues e centros de atendimento. Aqui, as mulheres trans, suas apoiadoras e a mãe de um menino nascido no corpo de uma menina denunciam os desafios enfrentados, suas estratégias coletivas de proteção e a luta diária por uma vida mais digna.
  • BOQUINHA: Famílias separadas – p. 7-9
    Lilián Celiberti e seu companheiro Universindo Diaz eram uruguaios, mas moravam em Porto Alegre com os filhos Camilo e Francesca, de sete e três anos. Na época, o Brasil e o Uruguai eram governados pela ditadura militar…
  • A nova cara da assistência – p. 10-13
    A assistência social está sendo maquiada. Mas será que é uma cara mais bonita que a anterior? Será que a terceirização é o melhor caminho para qualificar o serviço? Vamos pensar juntos e ouvir os envolvidos.
  • Boca de Rua, presente! – p.14-15
    O Boca de Rua é uma referência em muitas áreas. Por isso, é convidado para participar de vários encontros, seminários, rodas de conversas, palestras, defesas de teses/dissertações, trabalhos de conclusão de curso (TCC), oficinas e até cursos. Quando isso acontece, o grupo escolhe seus representantes, eleitos por votação.
    Acompanhe aqui alguns dos eventos que contaram com integrantes do jornal.
  • Capitólio exibe filmes sobre população de rua – p.16